sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

A gente se ama!

[Inédito]

Por: Anacris Maia

Pode ser meio idiota, mas, numa noite dessas, rolando na cama fui surpreendida por um sentimento que me comoveu e me fez sorrir ao mesmo tempo. Foi uma experiência louca, senti paz, bem-estar. Sabe aquela coisa boa que se sente quando se percebe que é feliz ou descobre um motivo para ser? Então, foi isso que senti quando esse sentimento me dominou.


Já estamos juntos há tanto tempo e eu te conheço um pouquinho, mas, até então nunca tinha olhado para nós dois como olhei naquela noite. Um cara comum que conhece uma garota comum, que se tornam especiais um para o outro e decidem naturalmente dividir a vida. Desconheço os motivos que o levaram a iniciar uma relação comigo, mas, conheço os motivos que fizeram você permanecer ao meu lado.


Tenho o amor dos pais, mas, é um amor acidental e regido por um código genético-ético-moral. É quase um tabu discutir esse amor incondicional dos pais. Já os amigos nos toleram, mas, tem liberdade para se afastar assim que sentirem qualquer desconforto. Agora você me escolheu no meio da multidão se utilizando de critérios que eu ignoro e continua comigo, mesmo conhecendo defeitos, fraquezas, chatices. Mas, conhecendo também minha parte boa, minha risada, meu olhar, meu sentir, meu pensar. Você não fugiu porque sentiu desconforto e não me deixou correr quando conheci seu lado B.

Eu gostei da sensação de saber que além dos meus pais e de uns poucos amigos eu tenho alguém que sem obrigação alguma, nem determinismo ou acidente, simplesmente gostou de mim e está comigo até hoje. Não há nenhum laço que nos prenda, mas, ainda assim nos mantemos unidos sem intenção alguma de nos afastar.

A gente conhece bem o ditado, mas, nunca imagina que amar e ser amado é algo tão mágico, fantástico, transcendente mesmo. As regras do amor são ilógicas, tolerantes, afetuosas, cheias de perdão. Durante muito tempo fiquei procurando uma forma de me sentir única, cega na minha expectativa nem me dei conta que durante todo o tempo em que estamos juntos você me via assim. Juntos, demos cor a nossa vidinha sem-graça.

Você me fala de rock, blues e jazz. Me mostra as grandes bandas, os melhores músicos e cantores. Eu falo de filosofia e literatura, em especial poesia. Lembra do nosso primeiro encontro acompanhado de Fernando Pessoa? Você me faz rir das minhas chatices quando em tempos de solidão eu reclamaria. Consegue me mostrar que o problema nem é tão grave assim, é só tempestade da minha parte. Mas, também é meu companheiro quando a coisa fica mais séria.

Pela primeira vez, a insônia me trouxe bem-estar e não inquietação. Percebi algo que a rotina massacrante e os dias corridos não conseguiram sufocar. Quando pensamos que o sentimento segue seu curso tranqüilo e seguro, vem um sentimento desconhecido, que nos surpreende e é justamente essa capacidade de nos renovar nos detalhes o que nos mantém juntos.


As coisas tão mais lindas
Nando Reis

Entre as coisas mais lindas que eu conheci

Só reconheci suas cores belas quando eu te vi
Entre as coisas bem-vindas que já recebi
Eu reconheci minhas cores nela e então eu me vi

Está em cima com o céu e o luar
Hora dos dias, semanas, meses, anos, décadas
E séculos, milênios que vão passar


Água-marinha põe estrelas no mar
Praias, baías, braços, cabos, mares, golfos
E penínsulas e oceanos que não vão secar


E as coisas lindas são mais lindas
Quando você está
Onde você está
Hoje você está
Nas coisas tão mais lindas


Porque você está
Onde você está
Hoje você está
Nas coisas tão mais lindas

12 comentários:

Paulo Henrique disse...

Oi Cris, que bom isso!!!
Pena que comigo não foi desta vez, talvez com um pouco mais de maturidade da minha parte...
A alegria de uns e a tristeza de outros... rsrs
Que bom q essa é sua alegria!!! Fico muito feliz por e com vc, minha miga!
Beijo e Felicidades!

Anacris Maia disse...

Pois é Paulo, confesso que o texto pra mim deixou muito a desejar diante do que experimentei naquele momento. Não sei nem se consegui descrever para outras pessoas o que eu queria, mas, foi pulsão, eu escrevi apenas.
E de fato é muito louco isso, pode ser óbvio ou banal, mas, é uma coisa que a gente não percebe, não se dá conta, não visualiza. Eu exorcizei algumas coisas - e vc sabe do que eu estou falando - amadureci em outras e meio que me joguei, sem racionalizar muito...
Bom, adorei sua visitinha no Produção, espero que volte sempre e obrigada por ser meu amigo e compartilhar comigo essa alegria e também coisas não tão boas das quais vc esteve presente. Beijo grande!!!

Ricardo disse...

Entre tapas e beijos?? Faltou essa.... rsrsr
Sabe, você? Não existe!! È uma flor que desabrocha no meio do asfalto. Neste largo asfalto pisado por pés imundos e descalços onde de longe se vê apenas o caos eu enxergo a beleza cativante do seu sorriso e do seu jeito especial de ser mulher!
Te amo!!! Ri

Anacris Maia disse...

Amore... Poder dividir minha vida contigo é de longe a melhor coisa da minha vida... E pra quem não estava inspirado, hein, tá bem poético, mocinho..rsrsrs. Te amo sempre. Beijos.

Daniel Alabarce disse...

Oi, cris! Muito legal saber que ainda existem essas coisas.

Como diz a Sandra, eu tenho dedo podre...Então senti isso uma vez apenas na vida, a primeira namorada... Nunca mais! aaaaahhh! kkkkkk

Feliz por vcs! abraçao!

Bárbara disse...

Que lindo amiga! Fiquei inspirada! Muitas felicidades ao amor de vcs! Vcs merecem, aproveitam cada momento!
Beijos querida amiga

Anacris Maia disse...

Pôxa Dani, pelo menos você sentiu uma vez, tem gente que passa a vida desconhecendo o que é isso. Agora, a parte boa é que mesmo com o "dedo podre", com certeza a sensação que teve com sua primeira namorada não será sua única experiência, outras surgirão.
E também, não é má sorte, a gente se diverte com os errados (as), enquanto não acha o (a) certo(a). Beijos...

Anacris Maia disse...

Obrigada Bá, o amor tem mesmo esse efeito inspirador!!! Beijocas.

Bárbara disse...

Amiga, eu vi errinhos e estou consertando pela segunda vez, rsrs
Apague se possível os comentários anteriores a esse, rsrs

Tem esse efeito sim, com certeza! Bom, eu já tive isso que vc está sentindo e é muito bom, mas me aconteceu de a outra parte não estar assim, houve amor só de um lado, mas eu logo encontro alguém que me ame de verdade, e que tenha total satisfação comigo, tem pessoas que nasceram para ser como pombos, sempre amando, e outras que só querem ciscar, encontrei pessoas que ciscam ali e acolá, não digo que quero um amor pra vida inteira, mas quero amor verdadeiro e alguém que se satisfaça comigo sem ter que necessitar de estímulos externos, já encontrei pessoas assim, parceiros e também amigos, mas o amor de verdade que senti por tal pessoa, a pessoa queria mais estímulo externo, ou seja, não nasceu para ter uma única parceira, então nisso me retiro, eu quero o melhor pra mim!!!
Amiga, muitas felicidades para ti e para todos os amantes
Te adoro, talvez eu tenha falado demais mas aqui o tema era sobre isso né? rsrs

Beijos

Anacris Maia disse...

Falou demais nada amiga, é sempre bom te ler... Eu costumo dizer que amor de mão única, não dá. Por mais que nos sintamos carentes, inseguras e com medo da solidão, é melhor dar um basta e sentir solidão sozinho do que sentir solidão a dois. Somos ansiosos, meio apavorados, mas, a verdade é que se a gente der um tempo pro tempo as coisas se ajeitam, um amor novo aparece e o sol volta a brilhar depois de uma temporada de chuva. Como você disse, não precisa ser eterno, mas, precisa ser verdadeiro, intenso, desses que duram o que tem pra durar e que quando acabam tornam-se inesquecíveis. Sempre fui a favor do que é intenso. Beijão e apareça sempre que quiser. Também te adoro muitão...rsrsrsrs

Bárbara disse...

Por falar em mão única, há uma mensagem muito boa do Chico Xavier que fala disso:

"Nós podemos morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos e até ter um governo mais ou menos.
Nós podemos dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos e até ser obrigados a acreditar mais ou menos no futuro.
Nós podemos olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos...
Tudo Bem!
O que não podemos mesmo, nunca, de jeito nenhum...
É amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos e acreditar mais ou menos.
Senão corremos o risco de nos tornarmos pessoas mais ou menos."

Amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, tô fora, não sou e não quero me tornar uma pessoa mais ou menos!

Beijos amiga querida

Anacris Maia disse...

É bíblico, amiga: Tudo o que é morno a gente cospe... Beijos.