segunda-feira, 31 de maio de 2010

Sex and the City 2 (Torcendo pelo Terceiro!!!)

Por: Anacris Maia


Sábado à tarde, dia de sol agradável somado a um friozinho na medida. Dia perfeito para colocar uma roupa bem charmosa – afinal, a ocasião merece – e ir ao cinema arrastando o namorado para assistir Sex and the City 2. Eu, fã e órfã da série contava os dias, esperava ansiosamente a estréia, que foi na sexta, dia 28/05, para matar saudade e rir com as quatro mulheres mais fabulosas do cinema.
Como as minhas expectativas estavam pra lá de altas, talvez o texto soe mais crítico que fanático, mas, essa não é essa minha intenção. Este texto é a primeira impressão de uma fã apaixonada, que vê e revê a série sempre que pode, assim sendo, talvez cega pela paixão e pela expectativa, eu exagere um pouco na chatice, mas, não significa que o filme é ruim – ele tem algumas falhas, é verdade – apenas que foi diferente do que eu estava aguardando.

Se no primeiro filme Miranda (Cynthia Nixon) e Charlotte (Kristin Davis) estavam se adaptando a nova vida de casada e enfrentando algumas realidades, Samantha (Kim Cattrall) estava dividida entre sua vida antiga, onde cada noite era possibilidade de uma boa transa, e uma relação estável, enquanto Carrie (Sarah Jéssica Parker) preparava para o tão sonhado dia do casamento com Big e o desfecho da tumultuada relação.

Neste segundo filme, as angústias agora giram em torno da confortável, porém, tediosa vida de casada, da estressante atividade de “mãe” e da busca por manter a juventude. Tudo abordado com muito bom humor, sacadas incríveis, conversas inteligentes com um toque de sinceridade e cinismo. Há cenas antológicas que se tornarão inesquecíveis para os fãs da série. Samantha sem dúvida é a estrela do filme, interpretação fantástica e cenas memoráveis como o desabafo no meio de uma feira lotada de conservadores religiosos no Oriente Médio que a olhavam com desaprovação por ter na bolsa inúmeras camisinhas: “é, eu faço sexoooo”. Simplesmente demais.

Bom, mas não estou aqui para cortar o barato de ninguém, portanto, encerro aqui os detalhes do filme para me ater a assuntos um pouco mais técnicos. A idéia do filme é muito bacana e de fácil identificação com os personagens, porém, o roteiro conseguiu perder esse foco e mostrou-se um pouco fraco e desconexo perdendo a oportunidade de explorar melhor as histórias das personagens. Apresentam-se os dilemas e a gente fica torcendo para que tudo dê certo no final – afinal, estamos falando de filmes, Hollywood – e o que acontece é uma explicaçãozinha muito da clichê, pouco densa e não condizente com Sex and the City.

Outra coisa que me desagradou: figurino. Mulherada, é público, notório e unânime que Sex and the City é glamour, moda, grifes, ostentação. É pra gente morrer de inveja, desejar todos os Dior, Chanel, Oscar De La Renta, Manolo e afins. Eu senti falta de um visual mais chique, mais Nova Iorque. Acompanhando algumas matérias que estavam circulando antes da estréia do filme, li que o figurino seria mesmo um pouco menos glamuroso devido à crise econômica que assolou o país. Até aí, tudo bem, mas, eu estou indo ao cinema para assistir um filme extremamente fashion e não um documentário cabeça sobre a história da economia americana.

Mas, uma coisa é certa, o filme vale o ingresso e no meu caso uma segunda vez, as críticas apontadas são apenas detalhes. Rever as aventuras e romances dessas quatro, somada a franqueza dos diálogos é garantia certa de diversão e leveza. O tema central do tédio nas relações estáveis que já perderam aquele fogo inicial, somado a luta pela sobrevivência e pela preservação da sanidade durante o exercício de ser mãe garantem não só boas risadas e discussões, mas, quebram também o discurso hipócrita e moralmente aceito.

No mais, só posso torcer para que Carrie Bradshaw continue com olhar perspicaz, compartilhando dilemas amorosos com tanta graça e humor, colaborando para que não nos sintamos sozinhas diante dos nossos próprios dilemas relacionais. Eu continuo na saudade, revivendo bons momentos com a série e aguardando ansiosamente o terceiro. Vida longa a Sex and the City.


Kim Cattrall está fantástica na pele de Samantha Jones.
Ela é a estrela do filme. Na foto, visual retrô, anos 80.

2 comentários:

Ri disse...

Hummm... rumores na net...

Sex and City 3 em Londres

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/743327-sex-and-the-city-3-tera-londres-como-cenario.shtml

Detalhe do vestido amarelo da sua Deusa


Bjão!

Anacris Maia disse...

Londres... uhuuuuu... Já amei. Vc me atiça né... Já vou ficar na expectativa do terceiro. Vou ver o vestido da charmosissíma.

Beijão.